CAVALEIROS DO TEMPLO


Este blog tem como objetivo único, cooperar em leituras e estudos voltados para o segmento Maçônico, com textos de diversos autores e abordagens diferentes para um único tema.

Por Yrapoan Machado






quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

A MAÇONARIA E SEUS CAMINHOS

Os registros históricos indicam que, desde o seu surgimento, a Maçonaria defende a liberdade de pensamento, o trabalho livre, a liberdade religiosa e está sempre ao lado dos interesses do povo. A Maçonaria glorifica Deus, o Único Todo-Poderoso Criador do Universo, a quem chama de Grande Arquiteto do Universo (G.:A.:D.:U.:). Utilizando como símbolo universal, o Esquadro, representando a Lei, e o Compasso representando a Justiça, entrelaçados no centro com a letra G (o Geometria), temos o significado da aspiração máxima da Maçonaria:- A Lei e a Justiça de Deus sobre todos os homens. A Maçonaria é uma sociedade iniciática e cultural de livres pensadores. O ingresso na instituição obedece a rigoroso processo e, participar do quadro de obreiros de uma Loja é uma sorte, um privilégio concedido ao candidato que for julgado digno, livre, sensível ao bem e crente em Deus. Pode-se dizer que a Maçonaria é composta basicamente de três elementos: O Iniciático; o Fraternal e o Humano. Nos dois primeiros elementos, ou seja, no Iniciático e no Fraternal reside a essência do espírito maçônico. A Ordem é a mesma, sempre e em qualquer lugar do mundo. Já no terceiro elemento, ou seja, o Humano, a Maçonaria apresenta diferentes aspectos em decorrência da mentalidade de seus membros influenciada pelo meio em que vivem e, também, pelas circunstâncias políticas, econômicas, religiosas ou históricas. Mesmo assim, gira em torno de uma só idéia – a tolerância. Portanto, a Maçonaria nunca se apresenta como a dona da verdade. Não impõe dogmas. Muito pelo contrário. Seus membros têm o livre arbítrio. O livre pensar. Por se encontrar unida espiritualmente em seus diversos princípios a Maçonaria se tornou uma Instituição Universal. Entretanto existe, sob a ótica material e institucional, uma profunda divisão advinda do próprio sentimento maçônico que prefere a adesão crítica à adesão cega, ignorante e irracional.
                                                                               
Em 1717, foram materializadas as Obediências que são potências autônomas e independentes, pois não há governo central da Maçonaria. Muitas delas, apesar de comungarem alguns princípios, não mantêm um contato ou relacionamento entre si, existindo, até mesmo, obediências que estão de relações suspensas ou cortadas. Não obstante isto, a união espiritual está sempre presente entre os maçons principalmente no que tange ao espírito dos rituais e dos Graus Simbólicos, que é o mesmo em toda à parte, por maiores que sejam as divergências verbais e dos ritos entre graus idênticos, trabalhados por obediências diferentes. Antes, as Lojas eram livres não havia subordinação a grandes lojas ou grandes orientes. Hoje, muitas lojas estão voltando às origens, assumindo uma postura de liberdade e independência, buscando praticar a maçonaria de forma pura, solidária e fraterna, com prioridade na elevação do espírito, na busca do conhecimento, valorização do homem como um todo, rumo à paz e ao progresso, despida de vaidades e egoísmo. Ora, em sendo a Maçonaria apologista do livre pensar, da investigação científica, da procura da verdade, nada mais natural que cada irmão, com o passar do tempo, procurasse fazer parte de lojas onde os seus anseios, a sua procura, o seu modo de ser se identificassem. Daí surgiram oficinas que, sem deixar a prática dos Princípios Universais da Maçonaria, direcionaram seus trabalhos com foco específico em decorrência dos interesses do grupo, do momento histórico, da ação social pretendida e em função do meio e da época.
Perquirir a literatura maçônica, vamos encontrar os seguintes tipos de maçonaria:

A Maçonaria Iniciática
                                                                       
É o ingresso na Ordem Maçônica quando o Aprendiz recebe, de forma simbólica, o Cinzel e o Maço instrumentos de trabalho e que o levarão à pesquisa esotérica, no sentido místico. Cabe observar que o simbolismo é uma das ciências mais antigas do mundo. Através dos símbolos, os povos primitivos se comunicavam e registravam sua história. O verdadeiro símbolo é aquele que pode ser interpretado por diversos ângulos, de acordo com a capacidade intelectual e emocional de cada um. De acordo com a Encyclopedia de Mackey, “a maçonaria é um sistema de moralidade desenvolvido e inculcado pela ciência do simbolismo”. O Cinzel é o Instrumento do grau de Aprendiz. Representa o intelecto e sugere o trabalho inteligente. Simbolicamente, serve para desbastar a pedra bruta da personalidade. Já o Maço, ou Malho, representa a ferramenta para, alegoricamente, desbastar a pedra ou educar a agreste e inculta personalidade para uma vida ou obra superior. O malho simboliza a vontade, energia, decisão, o aspecto ativo da consciência, necessário para vencer e superar os obstáculos.
.
A Maçonaria Filosófica e a MaçonariaTeísta
                               
A Maçonaria congregando todas as manifestações do pensamento humano está sempre a procura da Sabedoria e da Luz que ilumina e dirige tanto o Macrocosmo como o Microcosmo. Neste contexto, ela mergulha em busca de conhecimentos estudando a História das Religiões, da Filosofia e a História e Evolução da Humanidade. Assim, são as Lojas Filosóficas, dos altos Graus e as Lojas em que os Irmãos se dedicam aos estudos religiosos, místicos e espiritualistas, construindo uma rede que une todas as correntes do pensamento humano.

A Maçonaria Fraternal ou Clubista
                                         
As lojas deste segmento têm uma postura mais de clube social, de confraternização entre seus membros, apesar de realizarem programas de grande alcance humanitário. Nos casos da espécie, hão de se ter as cautelas necessárias para que a oficina não se transforme apenas numa associação longe dos objetivos maiores da maçonaria como “Ordem” e Instituição que busca, através da simbologia de seus rituais e no esoterismo, o caminho que leva ao conhecimento e à evolução do ser humano.

A Maçonaria Beneficente
                                                                            
 
Caracteriza pela postura humanística e filantrópica assumida pelos obreiros, alicerçada na tríade fé, esperança e caridade. Compromissados com a melhoria das condições de vida do ser humano, a ação destes Irmãos não se restringe ao mundo maçônico, mas, quase sempre, dão assistência material e espiritual também aos profanos e a todas as pessoas menos favorecidas, que foram abandonadas pela sociedade, esquecidos pelos políticos e que estão por toda a parte, nas ruas, sob as pontes e viadutos, levando uma vida indigna e desumana.

A Maçonaria Política
                                                
A Maçonaria Política consiste na ocupação de espaços na sociedade, participação, atuação cívica e representatividade. A maçonaria está sempre presente na nossa história. Destacou-se, inicialmente, entre alguns revolucionários da Inconfidência Mineira e da Conjuração Baiana no final do século XVIII, período em que assumiu uma posição avançada, representando um importante centro de atividade política, difundindo os ideais do liberalismo anticolonialista. Sua influência cresceu consideravelmente durante o processo de formação do Estado Brasileiro, onde apareceu como uma das mais importantes instituições de apoio à independência, permanecendo atuante ao longo de todo período monárquico no século XIX. A participação da Maçonaria na política está na sua própria razão de ser. A política desinteressada, conduzida com honestidade encontra guarita dentro das aspirações maçônicas e dos princípios de nossa Lei Maior, ou seja, a construção de um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias.
A Maçonaria Conspiratória
                                                                                
Ao longo de sua existência a Maçonaria teve que superar enormes obstáculos advindos das perseguições religiosas, políticas e, até mesmo, de incompatibilidades surgidas entre os seus membros no curso da sua evolução histórica. A crença de que não existe verdade pétrea, que a vida é um aprendizado constante e, a cada segundo, conceitos são mudados, novas descobertas são anunciadas, fazem com que o verdadeiro maçon tenha o dever de investigar com habilidade, bom senso, sabedoria e procurar a Verdade com vistas à construção de um futuro melhor, mais humano e que a paz seja alcançada. Desta forma, onde houver um ditador e uma ditadura haverá alguém se opondo. Este alguém poderá ser um maçon ou contar com o apoio da maçonaria. Enquanto a Maçonaria defender a liberdade do ser humano será sempre um alvo de perseguições e intolerâncias. Porém, a Maçonaria e o Ideal Maçônico já provaram que podem ser amordaçados, mas nunca emudecidos. Finalmente, podemos dizer com toda tranqüilidade que ao trazerem para a Loja as suas características pessoais os irmãos constroem um ambiente com o qual se identificam, tornando os trabalhos mais eficientes e eficazes, mas sempre respeitando os símbolos e praticando os rituais de acordo com os mandamentos maçônicos. Concluindo, gostaria de homenagear um personagem histórico que é bastante caro e importante a toda Ordem Maçônica. Assim, peço vênia ao grande poeta de além mar, Fernando Pessoa para, fazendo minhas as suas palavras, dizer que o maçon deve:
                                                                     
Ter sempre na memória o mártir Jacques de Molay, Grão-Mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários, e combater, sempre e em toda a parte os seus três assassinos: a IGNORÂNCIA, o FANATISMO e a TIRANIA.

Bibliografia 
1. As associações Secretas – Analise Serena e Minuciosa a um Projeto de Lei apresentado ao Parlamento, Pessoa, Fernando, Diário de Lisboa, 04.02.35.
2. Tipos de Maçonaria, Júnior, Edmir Mármora, Revista Trolha nº 226. ago/05
3. A Maçonaria e sua Política Secreta, Castellani, José ,Traço Editora - 1982
4. Das Origens e Essência da Maçonaria e do seu Contributo Judaico, Pessoa, Fernando, Editora Princípio 1993.
5. Sociedades Secretas, Cabral, José, Editorial Império Lisboa, 1935.
6. A Ordem na Visão de Fernando Pessoa, Calado, Antônio Alves Rodrigues, Revista A Trolha, julho de 1999.
7. Constituição da República Federativa do Brasil (Preâmbulo).

UM BEIJO NOS CAMINHOS DE SEUS CORAÇÕES

Nenhum comentário:

Postar um comentário